Pages - Menu

domingo, 28 de dezembro de 2014

Valentina, a guerreira - Porque não ser indiferente

Essa história é complicada, pesada, com fotos que podem ser chocantes, mas é preciso ser contada. É preciso que as pessoas saibam o que a indiferença e a insensibilidade podem fazer. É preciso mostrar também que existem pessoas capazes de tudo para ajudar um outro ser vivo. Não importa se é um ser humano, um cachorro, um gato, uma ave ou outro ser qualquer, o que importa é ter atitude, tentar eliminar ou diminuir o sofrimento do outro. E é disso que vamos falar nessa postagem.

No início de novembro de 2014 uma imagem circulou no facebook, nela aparecia uma gata muito judiada, quase sem pêlos e se arrastando pelo chão. Muitas pessoas viram as fotos, muitas provavelmente viram a gata pessoalmente, muitas ainda a viram bem antes de chegar no estado que estava antes da foto ser tirada e publicada. Ninguém fez nada... Ou melhor, uma pessoa fez, a Anna. Ao ver a foto ela se sensibilizou e pediu para correrem com a gatinha para uma clínica veterinária, e pelo menos isso foi feito. Chegando lá, o quadro era lamentável. A foto, apesar de tudo, não mostrava a situação real da gata: feridas, queimaduras, ossos quebrados, fome, desidratação e infecções.

Fotos que circularam na internet pedindo o resgate da Valentina

O que sabemos sobre o que aconteceu antes daquela foto com a Valentina é que ela entrou no motor de um ônibus, provavelmente para se esconder de algo ou se aquecer, e depois foi atropelada. Perdeu pêlo, pele e teve uma fratura na coluna e ficou paraplégica. Ao que parece ela ficou por alguns dias se arrastando pelo local, as feridas são, provavelmente, por se arrastar no asfalto quente. Não conseguimos parar de nos perguntar: quantas pessoas passaram por ela? Quantas sentiram pena? Quantas poderiam tê-la levado ao veterinário e depois pedido ajuda? Sem dúvida a resposta é: muitas! Mas ninguém se dispôs a ajudar. Até que alguém resolveu tirar uma foto e pedir ajuda. Melhor do que nada? Talvez. Mas e se ninguém ajudasse? E se ninguém se sensibilizasse? Uma foto e nada. A Valentina poderia ter morrido, e com muito sofrimento. Ser vivo nenhum merece isso!

Valentina recebendo os primeiros cuidados na clínica

A Anna não deixou que isso acontecesse. Com a ajuda do Dr. Thiago Augusto Lourenço e da Juliana Moura, foram feitos todos os atendimentos e cuidados iniciais. E a vida da Valentina começou a tomar outro rumo. A Valentina agora tinha uma chance de sobreviver. E tinha quem se importasse e lutasse por ela, sem medo de todo trabalho que pudesse dar. E dá trabalho viu? Nem todo mundo tem coragem de assumir uma responsabilidade assim. Animais assim como a Valentina precisam de cuidados constantes pelo resto da vida. Precisam de cuidados com ração, higiene e podem ter problemas urinários frequentes. No caso da Valentina, ela só faz xixi quando se aperta a bexiga, não é apenas estimular, é apertar mesmo. E para fazer cocô tem que estimular também.

Valentina na casa da tia Anna
De volta à clínica depois de dar um susto na tia Anna
Com a sonda mas já começando a comer sozinha

Depois que a Valentina saiu da clínica, ela foi para a casa da Anna, que vai cuidar dela para sempre. Mas de lá pra cá sofreu uma recaída e teve que ser internada novamente. Não queria comer, teve que colocar sonda para se alimentar e deu um susto imenso em todos os que acompanhavam a história. Mas depois de um período tenso ela voltou a se alimentar sozinha e pode voltar para casa. A Anna diz que é porque ela viu o quanto é amada, querida e especial. Ela não entregou os pontos, é guerreira, e tem uma vontade imensa de viver. Entre todas as coisas as coisas que a Anna nos contou, uma delas, temos certeza, fez a Valentina querer viver: a Valentina ouviu a Anna dizer pra ela que “jamais ela iria voltar pra rua e enfrentar o descaso dos seres humanos”.

Já gordinha, sem feridas e com o pêlo nascendo
Hoje a Valentina está ótima, linda, radiante e até gordinha. Sem anemia, sem infecção, sem feridas e muito amada. Ela ainda não consegue fazer xixi sozinha, mas ela sabe que pode contar com a Anna. E todos nós do Projeto Viva Gato temos muito orgulho de ter a Anna como parceira. E não temos nem como agradecer o que ela fez e faz pela Valentina. Muitas pessoas ajudaram, inclusive financeiramente, e gostaríamos de agradecer a todas! Se a Valentina hoje está viva e bem, é porque nem a Anna, nem o Dr. Thiago, nem a Juliana e nem todos os que se sensibilizaram após o resgate foram indiferentes. Vocês salvaram uma vida. Isso não tem preço.

Se você que está lendo essa postagem quiser ajudar a Valentina, ela precisa muito de patê e sachê. Para doar é só entrar em contato com a gente que repassamos para a Anna.