Pages - Menu

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Tem um gatinho novo em casa? Saiba como apresentá-los.


Se imagine na seguinte situação. Você está em casa, tranquilo, vendo seu programa favorito, com o seu melhor pijama, geladeira cheia do q você mais gosta, tudo perfeito! Ai a pessoa q mora com você e que te proporciona todo este conforto chega em casa e trás um "amigo". Este amigo chega abrindo a geladeira, querendo seu espaço no sofá, mexendo nas suas coisas sem permissão e ainda por cima a pessoa que o trouxe para casa acha aquele intruso muito mais interessante que você. Ai como se não bastasse você descobre que o intruso vai morar ali, sem aviso prévio e sem negociação!
 E ai meu amigo? Você fica revoltado, mas aceita colocando todos os empecilhos possíveis? Ou você pega as malas e se manda procurando outra pessoa que te banque da mesma forma?





Como o gato você também é territorialista. Você tem local próprio e regulamenta com leis e documentos o local que te pertence. Invasões de estranhos em seu território podem virar caso de polícia, brigas e guerras.

 Mas para a nossa sorte os gatos são muito mais tranquilos.
 Ele vai ficar muito bravo com a invasão do que é dele mas ele jamais vai levar isso tão a sério a ponto de te perder.

 Você adotou ou achou um gatinho novo? Vamos te dar dicas de como fazer para que eles convivam bem o mais rápido possível.

  • 1% dos gatos ficará feliz em ver um gato estranho entrando na sua casa. Então descarte qualquer possibilidade do seu gato receber um novo com festa. Seja realista, isso vai te ajudar.


  • Não existe este papo de que fêmea pode ser melhor em caso do gato mais velho ser macho ou vice e versa. Desde que ele seja castrado, o que é necessário se você for um dono consciente, não existe empecilhos quanto a terem o mesmo sexo. Se você for adotar procure não por macho ou fêmea, mas por um gato compatível com a energia que você espera e que combine com seu outro gato. Pense sempre no gato que você já tem antes de adotar.


  • Não apresente os gatos diretamente. Deixe o seu primogênito acostumar com a ideia. Mantenha o gato novo em um cômodo separado, de preferência um cômodo que o antigo gato não faça muito uso. Deixe-os separados por pelo menos 3 dias tendo contato apenas com os cheiros um do outro. Lembre-se que quem manda na adaptação é o gato que já morava na casa antes. Pra ele que deve ir a maior atenção neste período e a sua rotina não deve ser alterada.


  • Na hora da apresentação direta uma dica importantíssima: use baunilha culinária. É só passar um pouco de essência de baunilha, aplicando como se fosse um perfuminho no gato novo. Isso vai tapear o olfato do gato e mudar a reação dele de revolta para curiosidade.


  • O período de adaptação são de 7 dias. Tenha paciência com o seu primeiro gato, ele não é obrigado a ceder as suas vontades sem um dialogo e algum tipo de compensação.


  • Calma, seu gato não vai matar o gatinho novato. Muitas pessoas se desesperam ao ver a reação do gato ao novo irmão. Gatos quando querem dar fim em algum animal faz muito antes do q você possa reagir e uma mordida basta. Se ele só reclamou e deu uns tapas, isso é normal.


  • A adaptação vai depender da idade do gato da casa, territorialismo e o quanto você mimou.


  • Na primeira semana de convivência conjunta, tente não deixa-los sozinhos. Se tiver q sair guarde o novato em algum quarto e tente ficar sempre próximo aos dois, não por medo de um machucar o outro, mas para que você seja o elo entre eles.


  • A hora da brincadeira pode ajudar muito neste processo. O gato para aceitar mais rápido o novo gatinho precisa ter uma experiência positiva com ele. Para isso sempre que eles estiverem no mesmo ambiente faça de tudo para que o gato mais antigo se sinta a vontade. De a eles (separadamente) uma comidinha ou petisco. Estimule brincadeiras com bolinhas ou barbantes para aproximá-los. O que o primeiro gato da casa precisa saber é que coisas boas acontecem quando o novo está por perto.


Se você tem mais de um gato este passo a passo também funciona. O mais complicado será colocar seu coração de supermãe para trabalhar na adaptação de 3, 4, 5 gatos de uma vez. Mas é perfeitamente possível.
Quer usar outros artifícios para te ajudarem nesta? Procure por Florais de Bach e Feliway. Com certeza vão dar um empurrãozinho nesta convivência.

 Uma coisa que eu aprendi como dona de gato é que não existe nada trabalhoso demais nem complicado demais para quem tem o coração tão grande.
 Espero que estas dicas ajudem muita gente a ter mais amores em casa.
 E você tem outras dicas preciosas? Conte pra gente nos comentários!

4 comentários:

  1. Essa frase disse tudo: " não existe nada trabalhoso demais nem complicado demais para quem tem o coração tão grande"

    ResponderExcluir
  2. Eu já tinha 2 gatos, meu marido achou uma caixa com 7 gatinhos no lixo e levou pra casa. Apaixonei na hora! A vizinha viu e logo quis ficar com 2, mora ao lado de casa e castraremos os gatinhos juntas.
    Muito bem, meus 2 gatos na hora odiaram o acontecido. Nina, a gata mais velha (1 ano) odiou mais que o Billy ( um gato de 6 meses, encontrado no lixo com cordão umbilical ainda). Li essa matéria nesta época e vi que estava fazendo tudo certo e que em uma semana a Nina já aceitaria os novos amigos, redobrei os carinhos e conversas com ela, o período de adaptação é algo em torno de 7 dias, passaria logo.
    Percebia nela as ganas de trucidar os gatinhos novos e também o Billy( que nem precisou de período nenhum e foi logo fazendo amizade com os novos).
    A Nina tem grandes problemas emocionais, chegou em casa muito machucada, tinham arrancado a pele do pescoço dela, pensei que ela nunca mais teria pelos novamente... ela é muito estressada e nervosa, mas quando quer sabe ser um doce de carinhosa..
    Bem, estamos com 20 dias de conhecimento agora, ela não gosta deles ainda...mas já os suporta, recuperou a confiança no Billy, sabe que não perdeu meus carinhos e a vida passou a ser harmoniosa novamente!
    Com paciência e amor superamos tudo e somos recompensados pelo amor e carinho deles que não tem preço!

    ResponderExcluir
  3. Olha, gostei muito do artigo, mas ainda estou meio perdida, pois meu caso é um tanto diferente. Tenho uma cachorrinha de 2 anos, Sol, e há 4 dias resgatei um filhotinho de gato que abandonaram queimado, doente e desnutrido debaixo de chuva na minha rua. Estou cuidando dele em um local diferente da casa, pois ele está tratando de uma sarna com a qual ele foi abandonado, e por isso mantenho-o separado por hora para que minha cadela não corra riscos. O problema é que, só de vê-la, o gatinha começa a rosnar mesmo! Tenta arranhar e até morder (a ela e a mim!). Minha cadela é super tranquila com outros animais, principalmente gatos, que têm bastante em minha rua e vira-e-mexe estão lá pelo quintal brincando. Dá pra sentir pela reação dela o quanto ela quer se aproximar e brincar como ela faz com os outros gatos, mas o gatinho, novo integrante da família, fica bem estressado na presença dela. Existe algum diferencial, alguma coisa a mais que eu possa fazer além do que está no texto (já que se aplica a uma cadela veterana e um gato novato)?

    ResponderExcluir